segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Quando meu procrastinar se tornou sintoma de adoecimento

Ontem tive um choque de realidade...
Há algumas semanas comentei com minha irmã que parece que o último ano ficou meio em stand by, sinto que não aconteceu nada e às vezes, tenho até dificuldade de saber o que aconteceu na minha vida, parece que fiquei adormecida por cerca de um ano, embora as coisas tenham caminhado e eu não tenha deixado de lado coisas essenciais como cuidar do meu filho, do meu trabalho e na medida do possível da minha casa é como se tudo tivesse ficado meio no automático. Comecei a me sentir estranha, como se eu não estivesse vivendo direito.
Bem, voltando a ontem... No ano passado eu vinha tentando investir numa alimentação mais saudável e tentando fazer coisas diferentes em casa; No início do ano eu fiz pão algumas vezes e foi uma experiência sensorial bem legal. Cheguei a ir à zona cerealista comprar uns ingredientes mais naturais e integrais, mas aí, não sei porquê, não consegui mais tempo, nem tive ânimo de fazer o pão e desde então venho tentando voltar. Ontem peguei um dos ingredientes e vi que estava exatamente fazendo um ano! Comprei a farinha em 12/08 do ano passado! Confesso que fiquei chocada, chocada mesmo e me perguntando: onde eu estive nesse um ano? Por que abandonei diversas coisas que eram importantes para minha vida? Me senti muito mal, até porque sei parte dessa resposta...
Venho adoecendo sistematicamente. Estou desanimada até com meu trabalho. Não tenho conseguido ter a qualidade de vida que gostaria e me sinto muito frustrada. No segundo semestre passado teve ainda a crise financeira que deu uma mexida em tudo. Sinto que estou adoecida emocionalmente. É isso, começo a me sentir deprimida e isso é destruidor!
Sei que pode parecer exagero começar falando que não consegui fazer pão por um ano e chegar a um diagnóstico de depressão, mas a verdade é que esse episódio só serviu para me fazer olhar pra traz e perceber que venho me abandonando há tempos. Primeiro deixei de meditar, quase não ouço mais música, tenho pouca (ou nenhuma) vontade de sair, parei de escrever o diário que fazia para meu filho, estou mais descuidada da aparência, engordei 5 kg nesse período e acabei de descobrir que estou com anemia, possivelmente porque estou bem mais descuidada com a alimentação. Fiz academia de dezembro até meados de maio, depois fui abandonando também.
Antes disso eu já vinha sem tempo para um monte de coisas legais que queria fazer, mas parece que ainda havia desejo, coisas do tipo, "não consigo ir ao cinema, mas quem sabe eu consiga um espacinho para tentar ir nesse final de semana", agora nem a programação dos cinemas eu tenho visto, perdi o interesse. Na minha auto análise, perder o interesse por coisas simples, que antes me davam prazer é um ponto importante para me perceber deprimida. As pessoas tem muitas vezes uma visão equivocada de depressão e não a consideram quando a pessoa está produtiva, conseguindo trabalhar, sem estar prostrada na cama. Definitivamente não é assim. A falta de tesão pela vida e pelas coisas pequenas da rotina são um indício bem importante.
Mas, porque a ficha caiu só agora? A gente começa depois de um tempo de sofrimento a funcionar através dos mecanismos de defesa. É como se fingisse que as coisas não estão tão mal assim e segue a vida, tentando fazer o mínimo necessário. Uma hora esses mecanismos falham e quando isso acontece, a coisa fica evidente.
Há cerca de 20 dias, eu estava exausta (mesmo!). Marquei 4 dias de férias no Sul de Minas, aqui bem perto de São Paulo, com meu filho e minhas sobrinhas. Com dias extremamente secos e muitas alergias já presentes, na véspera da viagem me senti muito mal, com aquela sensação de gripe e muitas dores no corpo, assim, de repente, no final do dia. Fiquei preocupada por conta da viagem e comecei a me automedicar com antialérgico e medicação para dor. Piorei muito nos dias da viagem. Conseguia ficar até bem de manhã, conseguia passear um pouco, mas depois do almoço, ficava na cama. Minha sorte é que minhas sobrinhas são adultas/jovens e conseguiram se divertir com meu filho a tarde e noite, enquanto eu descansava no hotel. Depois de voltar da viagem, ainda fiquei muito mal por mais uma semana, tendo trabalhado apenas dois dias e por fim, para tentar resumir, foram 16 dias de extremo mal estar, com uma gripe+sinusite, que após as medicações afetaram meu estômago e passei a ter refluxo. Enfim, fiquei muito mal e só comecei a melhorar há 3 dias.
Isso tudo é só para falar do quanto o corpo não aguenta quando a vida vai mal.
Desculpem o desabafo, mas é aqui que registro minha vida para tentar me organizar!
Bem, mas coisas boas vem por aqui. Nesse final de semana meu filho ficou com o pai e eu pude me cuidar um pouquinho. Comi um pouco melhor e mais saudável, cortei os cabelos e fiz a unha, além de descansar bastante!
Hoje estou mais confiante e menos cansada. Organizei minhas contas no final de semana e arrumei uma nova faxineira (a que me ajudava está extremamente doente e eu estava tentando cuidar de tudo sozinha há uns 4 meses).Vou tentar estabelecer uma nova rotina nessa semana em que priorize os cuidados comigo mesma e com minha saúde e bem estar. Vou voltar para a academia hoje e tentar manter uma rotina de alimentação mais adequada. São pequenas coisas que farão diferença na vida, pelo menos é o que eu espero!

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Quando descobri que meu minimalismo tem um "quarto de bagunça" pra chamar de seu

Hoje entendi algo que vinha me incomodando silenciosamente. Sabe aquela sensação de que tem algo de errado e a gente não identifica o que é? Então, era isso! Eu vinha com a sensação de que meu discurso e minha prática em relação à organização não estavam alinhados. Algumas falhas eu até tenho identificado, como a desorganização crônica e sistemática dos meus papéis (eu faço grandes limpezas, arrumo tudo mas ainda não consegui colocar isso como rotina e a bagunça acaba voltando e  me irritando muito), mas venho sentindo que não é só isso.
Hoje aconteceu uma coisa que me deu um baita insight. Estou sem faxineira há alguns meses, por ter diminuído minha demanda e porque a pessoa que trabalha para mim está super doente. Resolvi chamar uma profissional que me indicaram para fazer um "faxinão", especialmente na cozinha, onde venho fazendo apenas o básico. A pessoa veio hoje e, enquanto ela limpava os armários da cozinha, eu fui fazendo algumas outras coisas. Reservadas as devidas proporções de que a moça era mega obsessiva e lenta, enquanto ela limpava uma cozinha super pequena, eu fiz: cuidei do meu filho pela manhã, assisti ao noticiário, dei banho e o levei à escola, passei no banco, fui ao supermercado, voltei para casa, passei aspirador em toda a casa, guardei roupas, arrumei minhas coisas no quarto, preparei toda a casa para a limpeza, limpei minha pequena estante, onde guardo as coisas de costura e DIY, tomei um lanche, naveguei um tempinho na internet, passei roupa por um longo tempo, guardei as roupas passadas e devo ter feito algo mais que não me lembro. Quando já estava irritada pela demora e por perceber que o "faxinão" se resumiria a um item, comecei a pensar coisas do tipo: "eu devia ter feito aos poucos e não precisaria pagar para me estressar" -aliás,esse foi o pensamento mais educado que tive, pqp!- e de repente pensei: ok ela é mesmo muito lenta, mas tem um monte de coisas sujas dentro do armário, simplesmente porque são coisas que eu não uso!!! Caramba e eu pagando de minimalista, com o armário cheio de cacarecos que não são usados há anos! É isso, eu ainda sou bem mais acumuladora do que eu achava ou melhor, muito mais do que poderia admitir.
As vezes tenho a sensação de que todos nós temos pequenos segredos que não revelamos nem a nós mesmos e são coisas que destoam da visão que temos de nós mesmos, é aquela espécie de deslize vergonhoso que cometemos mas que não podemos falar em voz alta, então reprimimos e passamos a não olhar mais para aquilo,
É meus caros, armadilhas do nosso inconsciente! Meu eu minimalista ficou arrasado ao descobrir que tem um quarto de bagunça pra chamar de seu!
Ainda bem que uma hora a gente descobre e pode fazer algo com isso!

quinta-feira, 29 de junho de 2017

O faça-você-mesmo como estilo de vida

Um dia, lá nos anos 80, eu tomei uma decisão muito importante... resolvi que seria uma pessoa independente pelo resto da vida. Naquela mesma década decidi como seria isso (pelo menos como eu compreendia isso aos 15 anos). Então arregacei as mangas, arrumei um trabalho e fui estudar a noite. Demorei muitos anos apenas nesse primeiro e importante passo: comecei a ganhar meu dinheiro, assumir minhas contas e adquiri uma certa autonomia. Comprei meu primeiro apartamento aos 23 anos (junto com meu então noivo e depois marido). Pra quem conhece a realidade de quem vive na periferia, sabe que isso foi um enorme feito.
A partir daí minha autonomia foi só aumentando. Quando me casei, nunca tinha feito uma refeição completa e só tinha feito uns ensaios de cozinhar. Não tinha ainda aprendido a ligar uma máquina de lavar e o ferro de passar então, eu não tinha ideia de para que servia! Fui aprendendo passo a passo, com meus erros e alguns raros acertos. Como na época eu era casada com um cara que já havia morado sozinho, isso foi facilitado, mas mesmo assim, não foi fácil aprender tudo isso assim de uma hora para outra.
Na época eu já me interessava por decoração e DIY, embora a gente não tivesse esse mundo maravilhoso da internet, já haviam algumas revistas que ensinavam a fazer algumas coisas. Fui desenvolvendo a ideia de que a gente só terceirizaria aquilo que não conseguisse fazer. Primeiro (e até hoje) arrumei alguém para passar roupa, porque simplesmente não me entendo com o ferro.
Cuidar da casa, fazer pequenos reparos foram se tornando parte natural da rotina.
Ao longo desses anos, tendo morado em pelo menos 5 endereços diferentes, eu só contratei pintor uma única vez e só porque estava grávida. Sempre fiz eu mesma, ou com ajuda dos maridos, ou simplesmente sozinha, como fiz agora. Consertar uma tomada, o chuveiro ou um móvel, pode ser feito por qualquer um com um pouco de habilidade e disposição para tentar. Não me sinto acima da média ou qualquer coisa assim, apenas aprendi a "fuçar", a tentar entender como funciona a coisa e a ver se consigo dar conta.
Muitos anos depois me dei conta de um aspecto incrível dessa escolha... fui desenvolvendo uma autonomia em relação às mais diversas coisas da vida. Hoje, se eu decido ficar sem faxineira, sei faxinar. Se decido trocar as tomadas ou as torneiras, eu me informo com alguém que saiba fazer e faço. Estou há 3 semanas pintando a casa. Até tive alguma ajuda, mas fiz boa parte do trabalho eu mesma. Hoje estou aqui, reformando um móvel.
Isso não quer dizer que eu não precise de ninguém, muito pelo contrário. Conto com as pessoas, peço ajuda quando preciso (e sempre preciso dos amigos, da família...).
É legal poder admitir que preciso das pessoas, mas que a vida não desmorona se não tiver ajuda.
Aprendi também a valorizar meu dinheiro e meu tempo. Se preciso de um serviço que alguém faria em 3 horas e eu demoraria 2 dias e se tenho grana para pagar por isso, pago sem o menor problema. Mas, se estou com tempo e posso economizar uma grana para gastar com outras coisas mais legais, porque não tentar?
Acredito que a gente não possa ficar refém de uma ideologia ou de um estilo de vida. O barato da vida é colocar as coisas na balança e ver o que mais vale a pena naquele momento. Outro dia fui ao cabeleireiro para pintar o cabelo, coisa que eu sempre fiz sozinha, mas naquele dia estava cansada, havia trabalhado muito na casa e me dei esse presente, de ficar tranquilona, enquanto alguém cuidava da cabeleira.
Enfim, tenho buscado coerência nas minhas escolhas e estou feliz por estar alcançando esse amadurecimento.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

A desorganização está me adoecendo

Eu tenho adoecido com bastante frequência. Isso me preocupa bastante porque, apesar de não ser nada grave, tenho tido algumas infecções de vias respiratórias, que tem repetido uma vez por mês. Além disso sinto um cansaço absurdo, porque sinto que meu sono não parece suficiente, embora eu durma 8 horas diárias. Me sinto cansada e no final do dia estou bastante irritada e ansiosa. Eu não sei direito o que está acontecendo, mas estou fazendo  alguns exames para saber.
Embora eu não tenha um diagnóstico muito claro, tenho algumas pistas (já quase certezas):
1. Estou sem férias de verdade há 5 anos! Ao longo desse tempo tirei, no máximo, 10 dias por ano.
2. Por conta da rotina exaustiva tenho me alimentado mal, acabo consumindo alimentos de baixa qualidade e me sinto desnutrida.
3. Estava fazendo academia 4 a 5 vezes por semana, quase sem resultado algum. Não emagreci, não me senti mais disposta e me senti desmotivada pela falta de resultados. Além disso, senti mais fome e mais necessidade de carboidratos.
4. Estou trabalhando mais e minha qualidade de vida piorou muito.

Motivos suficientes para adoecer, não?

sexta-feira, 10 de março de 2017

Minimalista... ou não

E tem uma música do Lenine que eu adoro... "É, eu ando em busca dessa tal simplicidade. É, não deve ser tão complicado assim. É, se eu acredito é minha verdade. E é simples assim!"
Ontem eu estava lendo um blog que eu gosto muito, o Dcoração. Este é um dos meus blogs preferidos e sempre me vejo com um sorriso, quando abro meu feedly e vejo que tem publicação nova da Viviane Pontes. Bem, mas o post em questão era a tradução de um texto que detonava com a questão do minimalismo estético. Ainda não sei se entendi bem o texto, mas mesmo que eu possa concordar com um outro ponto de vista a respeito desse tema, não pude deixar de notar uma certa agressividade, porque dizia o autor (autora?) se tratar, inclusive, de uma concepção misógina. Ora, calma aí companheiro! As coisas não são bem assim. Quem levanta a bandeira do minimalismo o faz por questões muito particulares, de estilo de vida ou de concepção de mundo. Não vejo ninguém por aí dizendo que quem quer comprar, ter uma casa cheia de coisas, enfeitar as estantes com bibelôs é alguém desprezível, fútil, consumista ou "mulherzinha sem nada na cabeça".
Eu penso sobre o mundo e por isso resolvi ter um estilo de vida que me permita ter menos coisas. Eu suporto minha parede branca, vazia, mas não critico quem quer ter uma casa cheia de frufrus. Cada um com seu cada um, certo?
Minha casa pode estar sendo esvaziada, mas minha vida não!
Talvez eu não tenha entendido nada, mas de uma coisa eu entendo- cansa essa coisa chata de sempre que uma coisa se populariza, precisa ser execrada e banida do universo por aqueles que se acham no direito de decidir o que é bom pro outro. Vamos lá, vou explicar (talvez pra mim mesma entender). Quando algo se populariza é porque mais pessoas estão tendo acesso e isso é bom. Deixa virar modinha, gente!  Mas por outro lado, aquilo que fica em foco também pode permitir as pessoas pensarem. Este é um bom exemplo, desde que a concepção minimalista passou a ter ampla divulgação (com distorções também, concordo), as pessoas tiveram acesso a algo que muitos jamais pensaram antes, um outro jeito de viver, ter menos, se preocupar menos em cuidar dos espaços, investir menos no ter e mais no ser. Agora se ser minimalista significa ter menos e com muito mais qualidade, o que significa investir alto $$$$ eu talvez esteja praticando uma outra coisa, porque por aqui não tem móvel caro não. Eu uso tudo o que tenho, reaproveito, reciclo, transformo e passo pra frente o que não me serve mais. Eu tenho prateleira de tábua de pinus sim e banquinho comprado no 1,99. Eu queria ter uma poltrona Charles Eames (ah, se queria!) e queria ter uma mesa saarinem e queria ter cadeiras tonet. Ah! queria também aquela poltrona do arquiteto brasileiro que não vou lembrar o nome agora, a Mole (Sérgio Rodrigues?acho). Viu só, eu serviria pra ser minimalista da revista Vogue, mas enfim, sou minimalista no estilo "Bel a doida", tenho menos coisa pra ter mais leveza e isso é minimalismo pra mim. Ah! e com tudo bem coloridinho, que adoro!

segunda-feira, 6 de março de 2017

Voltar a sonhar

Na semana passada as coisas foram bem difíceis por aqui. Foi a semana de carnaval e, embora eu não tenha programado nenhuma viagem, acabei programando uma parada para descansar. Meu filho ficaria um ou dois dias com o pai e eu poderia usar esse tempo só para mim. Fiquei ansiosa aguardando a chegada do feriado porque me sentia no limite do meu cansaço. As últimas semanas havia sido bem intensas tanto no trabalho quanto na vida pessoal. Enfim, acontece que eu fiquei doente, pois é, acontece! No sábado ainda chamei a faxineira, demos uma geral na casa e a noite fiquei com o filhote. No domingo saímos para almoçar, fomos ao shoppping e depois passeamos na Cobasi. Apesar de ter sido um dia bom, me senti estranha e sem energia. Na segunda fiquei péssima e até agora não sei exatamente o que aconteceu... no início tpm com muita cólica, coisa que eu raramente tenho, depois dores generalizadas pelo corpo e depois de passar um dia inteiro na cama, as dores só aumentaram. Na terça comecei a sentir dores de garganta, tudo... faringe, laringe e amigdalas.  Na quarta, comecei a melhorar um pouquinho. Na quinta fui trabalhar péssima, mas tinha que ir. Trabalhei até 21h, me arrastando. Na sexta não teve jeito, fui ao PS e iniciei antibiótico e antiinflamatório. Passei o final de semana de "ressaca" de tudo isso e me perguntando o que é que está acontecendo com meu corpo. Sei que há coisas diferentes acontecendo, não é só uma infecçãozinha ou virose, meu corpo pede socorro, a carga está pesada demais.
Nesta última noite, depois de 3 noites quase sem dormir, eu consegui finalmente dormir um pouco melhor e sonhei muito. Há quanto tempo eu não lembrava dos meus sonhos? Nem sei.
Me emociono ao falar disso, não tenho tido tempo para sonhar e isso me deixa muito triste. Onde foi que me perdi de mim? Onde eu fui parar?
Acordei alegre, talvez até feliz por ter tido essa experiência (embora passadas algumas horas eu já não me lembre mais dos sonhos).
De repente me vi pensando... preciso voltar a sonhar, tanto os sonhos dormindo quanto os sonhos acordados, daqueles que invadem nossos pensamentos e nos trazem a alegria de um novo plano ou mesmo de um novo desejo.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Diário de emagrecimento 3

Na semana passada tive uma rotina bem intensa; organizar a rotina pré carnaval, levar minha irmã para a reavaliação da cirurgia, organizar as coisas do carnaval do filhote na escola, fazer uns exames... enfim um montão de coisas e pouco tempo como sempre. Com isso, minha dieta ficou um pouco comprometida, não consegui deixar minha salada pronta e acabei abusando um pouco dos carboidratos (afinal, fazer macarrão e sanduíche é bem mais rápido). O resultado foi devastador: fiquei doente durante todo o carnaval e passei a maior parte do tempo na cama. Eu tinha um monte de planos, organizei a agenda do filhote para que ele ficasse dois dias com o pai, deixei a casa limpa no sábado e planejei sair com uma amiga, ir ao cinema e descansar.
Fiquei bastante triste porque além de não ter tido sucesso nisso, ainda não consegui ir à academia e meu plano de emagrecimento ficou perdido.
Não sei quanto estou pesando, nem sei se comi direito nesses dias (em alguns dias não consegui comer quase nada e em outros me forcei a comer coisas saudáveis e comi porcaria quando não tive força para fazer nada).
Amanhã volto a trabalhar e não sei se aguento fazer academia, porque ainda estou com uma tremenda dor de garganta!
Resta agora tentar voltar aos eixos nos próximos dias.